28 de agosto de 2014

15 anos da Pousada das Missões


Há 15 anos a Pousada das Missões existe como uma opção de hotelaria nas Missões, envolvendo os visitantes em um universo de experiências e informações relacionadas com a história jesuítico-guarani. É dia de parabenizar a todos os amigos, funcionários e administradores!


De albergue a Hostel e Pousada, de sonho a realidade. Milhares de hóspedes já passaram por aqui deixando um pouco de si, histórias e lembranças inesquecíveis. Jornadas, expedições, caminhadas, excursões escolares e viagens que tiveram as Missões como destino e a Pousada como acolhida. 


Aos nossos amigos virtuais, saibam que é muito bom poder compartilhar nosso amor à Região, mostrar tudo que as Missões têm de melhor, para tornar a viagem às Missões mais completa e permitir que aqueles que estão longe sintam essa energia e conheçam essa história!

Obrigado aos hóspedes pela confiança em nosso trabalho!




24 de agosto de 2014

A imprensa nas Missões Jesuíticas

Obra de Leonie Mathis, A imprensa nas Missões Jesuíticas

"O advento da imprensa no Rio da Prata é um evento singular na história da tipografia após Gutenberg. Não foi importada, mas sim uma criação original nascida ou renascida em meio a florestas virgens. Montada em todas as suas peças e manejada por índios recentemente civilizados, com novos tipos fonéticos, falando uma língua desconhecida no Velho Mundo, um mistério rodeia o seu início e seu fim..."

A partir do primeiro terço do século XVII, chegaram os Padres das Missões a insistir com os superiores da Ordem sobre a necessidade e conveniência de os missionários terem uma gráfica para edição de livros para catequese, especialmente aqueles escritos em línguas indígenas. Como é sabido, um sínodo de Lima, algum tempo antes, tornou obrigatório para os missionários aprender as línguas nativas e usar na evangelização.

Entretanto levaram muitos anos até que fossem enviados da Europa Jesuítas versados o suficiente na mídia impressa e eram poucos para o número de impressoras em execução. A impressão funcionou em primeiro lugar, ao que parece, entre 1713-1722 em Loreto, embora alguns tenham sugerido que pode ter iniciado o seu trabalho em Candelária, sede do Superior das Missões. Em 1715, 1722 e 1724 houve obras em Santa Maria Maior. Em 1727, em San Javier. Segundo Peyret e Lugones também havia tido em Corpus, mas não há datas ou número de obras impressas. Gay fala de uma imprensa em São Miguel Arcanjo.

Não foi suficientemente esclarecido se a imprensa foi uma só nas Missões, ou se havia várias em diferentes reduções. Por um lado, entre os livros produzidos na época, não há dois editados na mesma data em lugares diferentes. Isto deu origem à idéia de que a imprensa era de um único lugar e trabalhou em várias doutrinas de acordo com as necessidades. Porém os tipos usados na impressão diferem suficientemente para assumir diferentes tipografias, e, por conseguinte, diferentes tipos de impressoras. Uma terceira hipótese concilia as duas anteriores: todas as doutrinas podem ter tido seus fundadores, seus compositores e impressoras. Os testemunhos escritos apoiam este vertente, pois nunca mencionaram uma imprensa apenas.

As imprensas teriam sido construídas in situ, com quase todos os materiais da terra. Madeira local para os bancos, caixas, prensas. Rolos de pedras locais. Ferro da peça-chave em metal produzido nas Missões. Sobre os tipos de materiais de que foram fabricadas há muitos pontos de vista.

A "imprensa de Doutrina", como ela mesma foi chamada, ocorreu pelo trabalho dos trabalhadores formados pelos Padres. Índios tipografaram, esculpiram, gravaram ou fundiram os tipos ou caracteres necessários; mãos locais manejaram as prensas e trabalharam as encadernações.

O primeiro livro impresso parece ter sido Martirológio Romano (1700). Não são preservadas quaisquer espécimes; há notícia de que esta primeira impressão estava com defeito, assim um segundo foi lançado em 1709.

O segundo livro foi o Flos Sanctorum Rivadeneyra, traduzido pelo padre José Serrano, que supostamente trabalhou nesta tradução completando o número de vinte e três conhecidos títulos das Missões.

Alguns dos livros são volumes de três ou quatro centenas de páginas, e de admirável clareza, nitidez de impressão, diagramação e edição perfeitas. Devemos levar em conta que os índios já tinham a formação anterior de atividades manuais e artesanais que necessitavam de cuidados e atenção meticulosa. É talvez o menos feliz "Sermões e Ilustrações", do índio Nicolas Yapuguay onde as deficiências são observadas devido à falta de elementos de alinhamento.

Na verdade desde meados do século XVIII, surgiram artesãos indígenas que trabalhavam na cópia, a caneta, um grande número de missais, serviços de dia, hinários e mesmo textos profanos; imitando a tipografia e reprodução de ilustrações.

"... Os índios chegaram a imitar  com a pluma (caneta) tanto a melhor letra que copiam um missal impresso com tal perfeição, que muito cuidado é necessário para saber qual mão escreveu o índio...". E Peramas cita: "Imitam com a mão qualquer forma de letra, e embora exiba diante deles o livro mais elegante, impresso com as mais exornadas gravuras, reproduzem de tal maneira que você vai ficar depois sem saber qual era o original..." 

E não é preciso ir tão longe: no Museu de San Ignacio Guazu (Casa dos Padres da Missão) é preservado um desses textos (parte de um volume) copiado com nitidez e precisão imitando a mão os tipos de originais. 

Este trabalho de cópia certamente continuou a ser praticado depois de perder, pelo menos aparentemente, a atividade imprentaria. Também não podemos negligenciar a experiência adquirida pelos indígenas nas suas relações com o metal através de jóias, arte que tem tantos pontos de contato com a gravura, a ponto de ter apontado as origens da gravura em metal na Europa, uma fonte ou raiz comum a ambos os ofícios. 

A habilidade no traço, asseio no detalhe, cuidado e minuciosidade exercidas pelo índio ao copiar em pena/caneta e na ourivesaria seria, portanto, utilizada como ponto de partida para o sucesso rentável na nova fase de artesanato: a tipografia, no que diz respeito ao design de caracteres, a sua forma ou fundição.

A arte de Leonie Mathis e as Missões

Nascida na França, em 1883, interessou-se pela pintura desde tenra idade e aos 29 anos erradicou-se na Argentina se apaixonando por sua paisagem e história. 
Ela produziu altas obras iconográficas e de valor poético. Cenas que evocam o período colonial e as Missões Jesuíticas, entre muitos outros. Suas obras se tornaram um legado para sua nova terra e ilustram a história missioneira.


A imprensa nas Missões Jesuíticas

Dia de festa


6 de agosto de 2014

200 anos de restauração da Companhia de Jesus


Jesuítas de todo o mundo celebram hoje o bicentenário da restauração da Companhia de Jesus.
A Companhia de Jesus foi fundada por Inácio de Loyola em 15 de agosto de 1534. 

Após mais de dois séculos de atuação, a companhia foi expulsa devido à pressão da realeza francesa, portuguesa e espanhola, que tinham interesse em reduzir a influência dos jesuítas, maior ordem religiosa da Igreja Católica na época. Assim, em 21 de Julho de 1773, a Companhia foi suprimida pelo Papa Clemente XIV.

A história das Missões Jesuíticas teve um importante papel na expulsão e os povos que ainda existiam acabaram sendo abandonados após a supressão.

E hoje completam exatos 200 anos que a Companhia foi restaurada pelo Papa Pio VII, depois de 41 anos de supressão, em 7 de agosto de 1814.



2 de agosto de 2014

MISIONES JESUITICAS EN AMERICA: Pueblos Vivos

O Estúdio de Vídeo Roque González de Santa Cruz, em seus 25 anos, fez documentários em países da América, resgatando tradições das cidades missioneiras. São imagens onde encontramos um denominador comum, a preservação da cultura, sua música, seus costumes, que deixam clara a importância da história das Missões no que somos hoje.